Tenho tantas poesias medrosas, desajeitadas. Elas, como bicho do mato, aparecem com a cabeça curiosa atrás da porta e somem. Se negam em ter cores e se escondem para eu não poder escrevê-las.

Elas não são, nem de perto, como as flores de Fernanda, que se mostram para me fazer sorrir.

Anúncios